domingo, 4 de março de 2012

Grilo Falante


Era uma vez um grilo falante saltador,
um grilo muito diferente, sim senhor!
pois além de saltar e saltar, sua natureza
era falante, veja só que beleza!
Ah, ele falava tanto, tanto
                       e isto por si só era seu encanto.
                       Pois mais que o que dizia o grilo falante,
                       era o fato de falar que causava espanto.
Afinal, por que um grilo falante?
Era o que perguntava toda e qualquer gente.
E o próprio grilo, falante, a cada um respondia:
"- Se me ouves, se me vês,
é porque me desejas,
porque estou em tua mente.
Se salto e falo, impertinente,
indo e voltando, intermitente,
é porque me queres assim.
                         Quanto mais tu te espantas e pensas em mim,
                         mais me torno forte e permanente."
Preciosa flor, te trago uma vez mais,
sob outras palavras, a ver se te satisfaz,
uma maneira de definir o meditar.
Assim como as libélulas-pensamento 
voam e pousam a todo momento,
também o grilo falante representa
a voz interna que em cada cabeça é sonante.
Sabê-las parte de ti é fundamental
pois só assim a mente pensante,
representada por libélulas-pensamento e grilos falantes,
estará em paz, se sentirá normal.
Afinal, as vozes mentais
precisam ser ouvidas
porque expressam o desejo essencial:
existo e quero ser,
sou o que sou e quero viver!