terça-feira, 13 de agosto de 2013

Soneto da Esperança

Pela campina densa e verdejante
vem passeando a menina Esperança.
Os olhos verdes iluminam o semblante
a exibir a certeza de que ela nunca se cansa.

Traz nas mãos um cesto curioso:
está sempre cheio, por mais que a menina
dele retire algo e, num gesto bondoso,
entregue a todo ser que se põe sob sua retina.


Amigo, mesmo breve, que essa descrição
chegue a ti como imagem forte e linda
e que a recebas como conselho e aviso:

abre tua mente e permite que em teu coração
haja espaço para abrigar a Esperança querida.
Ela carrega no cesto tudo que te é preciso...