quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Encontro

Era criança e já não tinha mais ilusões,
sonhos infantis, doces fantasias.
Sentia como se tivesse mil corações,
todos feridos, nenhuma alegria.

Também não sentia profunda tristeza,
desespero atroz ou confiança perdida.
Sentia cansaço, não via beleza,
como se estivesse anestesiada para a vida.

Ouvi, um dia, ao longe, muito longe, a esperança;
ela acenou, gritou por minha atenção,
eu de cá busquei ignorá-la.

Mas ela tanto fez que acabei por abrir mão
da rigidez da dor para abraçá-la.
Então descobri que podia deixar de ser criança...
Claude Monet