terça-feira, 13 de maio de 2014

Pela janela

Auguste Chabaud
Na escuridão sobressai a luz da janela,
apenas uma, entre dezenas,
e ficas a imaginar se lá está ela,
aquela que pensas ser
a causa de tuas penas.
O coração aperta-se em teu peito,
é dor de há longo tempo.
Buscas, diuturnamente, por um jeito
de voltar a ser feliz,
ao menos por um momento.

E assim tua vida passa
- ou tu passas por ela? -
e nada fazes de concreto.
Teus talentos vivem numa cela,
não fazes render o que recebeste de graça.
Ó incauto, abre-te para o mundo,
deixa para trás o que não tem conserto!
Enquanto estás a mirar a janela iluminada,
de outras, escuras, tua ação é observada.
Que tal abrir mão da dor cultivada,
dar espaço para que a alegria,
um dia, faça em ti, morada?