sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Versos e cantos

Escurece e me espanto
porque não ouço mais o canto
da cotovia que adormeceu.
Ela não vai cantar em tua janela,
não te dirás que és a mais bela
dentre todas as estrelas
que estão a brilhar no céu.
Não haverá pios ao léu
e eu ficarei solitário a pensar
que a noite demora a passar.

Ó donzela, que eu amo tanto,
espera, da cotovia, o canto,
não desistas porque escureceu.
Foi só a noite que teceu
o seu manto de estrelas.
Mas logo raia o dia
e poderás ouvir a melodia
do meu coração que te ama
e, por ti, versos derrama
e encomenda à cotovia
que os cante para ti.

Ó amada, és para mim
a luz, o amor sem fim,
és a flor, és a vida, o futuro;
és presente e és porvir...
Dorme, eu velo teu sono!



(N.A.:Inspiração tão doce eu senti...foi uma delícia qdo as palavras foram fluindo...)