terça-feira, 16 de julho de 2013

O palco

Descortina-se o palco e expõe
a história que julgavas encerrada.
Traz a cor, o riso, a alegria,
que te abraçam e te deixam extasiada.
A luz dos refletores te aquece
e envolve teu corpo em magia.
Ainda és pequena, a tua face
brilha em purpurina e irradia
raios como os de estrela cadente.
Tudo acontece em espocar de flashes,
deixando como rastro tão somente
sombras coloridas na visão...
E, de repente, sentes tua mão
enlaçada na da realidade fria,
és conduzida de volta à apatia.
Porém o relampejante deslumbre
carimbou em ti a esperança:
ainda que não possas
voltar a ser criança,
tampouco queres mais
no mar da dor mergulhar.
Então, erguendo a soberana cabeça,
abre passagem a tua real vontade
de assumir por ti mesma teu caminhar.
A indefesa criança cresceu,
passas a ser, a partir de agora,
de teu destino a senhora!