terça-feira, 22 de maio de 2012

Paralelo



Vives o tempo todo a analisar,
buscando para tudo explicações.
Gostas de tudo esmiuçar
e te exasperas quando à tua frente vêm os senões.
Pensa no tempo que é mesmo paradoxal:
tu o sabes veloz quando vêm as alegrias,
nessas horas, dele quase nem sentes sinal.
Ao contrário, ele é lento,
chegando às vezes a ser terrivelmente modorrento,
quando fazes o que não te interessa.


Ao tempo já se teceram infindáveis elegias,
buscando nele a lentidão ou a pressa.
Percebes o paralelo que estou a traçar?
Não é o tempo ou as coisas que contêm as respostas,
é apenas o modo como tu sentes
o que fazes ou o que te acontece.
Pois para ti tenho uma proposta:
busca em tudo o amor imprimir
e ele será o carimbo factível
que mostrará a ti as soluções que pedes.
Se envolver com amor tudo o que percebes
serás capaz de ver todos os detalhes
de tudo o que vives a analisar,
de tudo o que te pões a esmiuçar.
E terás enfim toda a explicação possível,
aquela que passas pelo tempo a buscar...